Não é de hoje que vemos notícias de pastores desrespeitando a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Recentemente, o caso do pastor Agenor Duque, comparando a Santa a uma garrafa de refrigerante, causou revolta entre os católicos. Mas esse infelizmente não foi o primeiro caso. Confira o caso do pastor Von Helder:
No dia 12 de outubro de 1995, dia consagrado à Nossa Senhora Aparecida, o pastor Sérgio Von Helder (que agora se apresenta como Sérgio Von Helde), da Igreja Universal do Reino de Deus, chocou o país ao chutar uma imagem da padroeira do Brasil no programa “Despertar da fé”, na TV Record.
Von Helder dizia que “era um erro o povo brasileiro depositar suas esperanças em santos, ídolos ou imagens, porque, segundo a Bíblia, tais ídolos não têm poder algum”. Em seguida, passou a dar chutes na imagem afirmando que se tratava de apenas um “pedaço de gesso”.
A repercussão foi imensa. A cena foi retransmitida por outras emissoras e líderes de várias religiões condenaram a atitude do pastor.
A princípio, Von Helder teve o apoio da Igreja Universal, mas as manifestações contrárias, os ataques da população a templos da igreja e a abertura de um processo criminal por desrespeito a objeto de culto religioso levaram Edir Macedo, líder da Universal, a se desculpar com os católicos. Em pronunciamento de cinco minutos na Rede Record, falando do exterior por telefone e com uma fotografia exibida na tela, Macedo pediu desculpas aos católicos e censurou duramente a atitude de Von Helder.


A condenação

A repercussão negativa fez com que Sérgio Von Helder deixasse o país. O pastor foi condenado em 1997 a dois anos e dois meses de prisão, por discriminação e vilipêndio à imagem. Foi a primeira condenação no Brasil por discriminação religiosa. Na época, ele morava nos Estados Unidos e recorreu da sentença, afirmando que não havia chutado a santa, apenas teria colocado o pé na imagem para provar que era feita de gesso.
Em 1999, o Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a sentença e condenou Von Helder a dois anos de prisão por incitação à discriminação e ao preconceito religioso. No entanto, concordou em suspender por dois anos a aplicação da pena e anulou a condenação por vilipêndio de imagem religiosa. Segundo os juízes, o prazo para a condenação pelo crime havia acabado.

O retorno ao Brasil

Durante o período no exterior, o pastor rompeu com a Igreja Universal e tornou-se membro da Igreja da Restauração, fundada nos EUA. Von Helde retornou em 2014, com a missão de ser o líder da nova igreja no Brasil. No mesmo ano lançou o livro “Um chute na idolatria”, no qual faz duras críticas à Igreja Católica e contesta dogmas como a existência do purgatório, a ideia de que todos são filhos de Deus, o descanso após a morte e a salvação dos hereges.

Boato sobre milagre

O boato começou na internet, chegou a dois jornais do interior de São Paulo, foi publicado em uma respeitada revista católica, a Pergunte e Responderemos, editada pelo insuspeito dom Estêvão Bettencourt, monge do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, e acabou no Programa do Ratinho, no SBT.
Apesar de falsa, a história é extraordinária. Von Helder teria sido adoecido de um estranho mal, que atingiu justamente a perna que chutou a santa. Desesperado com a possibilidade de ficar aleijado, o pastor buscou tratamento em um hospital americano. Entre os médicos da equipe que o atenderam, ficou encantado com uma enfermeira negra. Ela dispensava cuidados especiais ao paciente odiado por milhões de católicos brasileiros. Depois de curado, Von Helder foi cumprimentar os médicos e quis agradecer pessoalmente à enfermeira que tanto cuidado lhe havia dispensado. Ficou chocado ao ser comunicado que no hospital não trabalhava nenhuma mulher negra. Consternado, acreditou que a mulher que o atendeu era a aparição de Nossa Senhora Aparecida. A partir dali, teria se tornado um fervoroso praticante do catolicismo.
Dom Estêvão, que em sua revista publicou o relato que originou a confusão, admitiu não ter procurado o próprio Von Helder para confirmar a história. “Eu vi a notícia em um site e a publiquei com ressalvas, pois não foi o próprio Von Helder que me disse. Mas até o momento a Universal não se manifestou.”
A publicação levou muitos católicos a acreditar no falso milagre. O fato ganhou ainda mais repercussão quando um programa da TV Canção Nova, emissora católica de Cachoeira Paulista, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo, baseado na revista de dom Estêvão, divulgou o milagre como se tivesse ocorrido.

Reveja essas duas reportagens sobre o episódio do chute na Santa:



Fonte: O Globo / Isto É / Redação Catholicus