terça-feira, 21 de julho de 2015

COMO AGIR NA MISSA E QUAIS GESTOS E POSIÇÕES DEVO FAZER?


Primeiramente,vestir se modestamente para ocasião ,Por que a Santa Missa é a renovação do Sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus, que nos resgatou dos nossos pecados e da morte na Cruz; tal Sacrifício se torna verdadeiramente presente na Santa Missa
Homens: Nada de bermuda,calças justas e apertadas, chapéus e camisas baby look, sem manga ou muito colada na Igreja. Coloquem calças e camisas com manga.
Mulheres: Nada de tomara-que-caia, decote, costas nuas, ombros e barriga à mostra, mini-saia, calças trasnparentes apertadas, leggings ou shorts curtos na Igreja. Coloquem saias sóbrias (não coladas ao corpo e sem fendas) calças ou bermudas (que não sejam apertadas) que sejam, pelo menos, até o joelho e camisas com manga e sem decotes, sem costas nuas.A Celebração Eucarística, se não é ocasião para seduções sensuais e para a descontração inadequada, também não é desfile de moda. Existe uma diferença imensa entre usar roupas caras e chiques, com as grifes do momento, e se vestir com a dignidade que é possível a cada um.  é bom chegar à igreja um pouco antes do horário. Ter um tempo para entrar na atmosfera da liturgia facilita o envolvimento com o Mistério da Santa Missa.
Lembrando que igreja é lugar de oração, de contemplação, de silêncio. Portanto, mesmo que outras pessoas não respeitem isso, faça você a sua parte. Se precisar falar seja sóbrio, para que a sua fala não atrapalhe os fiéis em suas orações,Os pequeninos são sempre muito bem vindos ao encontro com Nosso Senhor, mas se o bebê chora ou grita demais, talvez não seja conveniente ir sentar nos primeiros bancos, à frente de todos, de onde o barulho vai incomodar muito mais do que se você estivesse mais atrás. É muito importante levar nossos filhos o mais cedo para a igreja, mas também é fundamental explicar, o quanto antes, o que é a Missa. Assim, daqui há alguns anos, ele estará pronto para desfrutar as maravilhas que Cristo nos preparou.

Quando a Missa se inicia, o sacerdote é Cristo. Ele age na pessoa de Cristo, Cabeça da Igreja. Nesse sentido, não importa sua roupa, seu testemunho, ou tampouco sua pregação. Merece todo respeito e reverência que esta posição lhe impõe.
Palmas e mãos para o alto (como os dançarinos de axé fazem) não fazem parte dos gestos litúrgicos, mas também não podem ser consideradas como uma “afronta” à liturgia dada a permissão de se inserir ritmos musicais populares no rito. Porém, convenhamos que, tanto esses gestos quanto determinados ritmos musicais não se encaixam com a atmosfera da sagrada liturgia. Evitemos!
Compreenda e se envolva espiritualmente com cada momento litúrgico. Ato penitencial, Glória, homilia, Cordeiro de Deus, consagração, ação de graças... Envolva-se também fisicamente com esses momentos, mantendo a devida postura e executando os gestos prescritos, como: inclinação, ajoelhar-se, etc.
Ao receber a Sagrada Comunhão, a receba da forma mais digna que puder. Você pode receber a Eucaristia de joelhos diretamente na boca, de pé diretamente na boca, ou na mão. No caso da última, tenha todo o carinho e zelo para que nenhuma pequenina partícula se perca, pois ali ainda está o Corpo de Cristo.
Após a comunhão, existe um momento de extremo silêncio e adoração. Não se preocupe com a música, com o que o padre ou os ministros estão fazendo, tampouco com a roupa ou o cabelo da paroquiana que está na frente. Cristo está em você e só isso lhe importa neste momento. Silencie e ore.
Se levar crianças para a Santa Missa, eduque-as. Igreja não é lugar de brincar, de correr e muito menos de comer pipoca.
E, por fim, quando a liturgia termina e o diácono ou o sacerdote se despede da assembléia, espere a procissão de ministros sair em direção à sacristia para depois se despedir das pessoas e se retirar da igreja. 




Gestos e posições do povo na Missa


Ritos Iniciais

Fazer o sinal da Cruz com água benta (sinal do batismo) ao entrar na igreja.

Fazer genuflexão ao sacrário contendo o Santíssimo Sacramento, e ao altar do Sacrifício, antes de se dirigir ao banco. (Se não houver sacrário no presbitério, ou se este não for visível, fazer inclinação profunda ao altar antes de se dirigir ao banco.)

Ajoelhar-se ao chegar no banco para oração privada antes do início da Missa.

Ficar de pé para a procissão de entrada.

Fazer inclinação de cabeça quando o crucifixo, sinal visível do sacrifício de Cristo, passar em procissão. (Se houver um bispo, fazer inclinação quando ele passar, como sinal de reconhecimento da sua autoridade da Igreja e de Cristo como pastor do seu rebanho.)

Permanecer de pé para os ritos iniciais. Fazer o sinal da Cruz junto com o sacerdote no começo da Missa.

Bater no peito ao “mea culpa(s)” (“por minha culpa, minha tão grande culpa”) no Confiteor.

Fazer inclinação de cabeça e o sinal da Cruz quando o sacerdote disser “Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós...”

Fazer inclinação de cabeça ao dizer o “Senhor, tende piedade de nós” no Kyrie.

Se houver o Rito da Aspersão (Asperges), fazer o sinal da Cruz quando o padre aspergir água em sua direção.

Durante a Missa, fazer inclinação de cabeça a cada menção do nome de Jesus e a cada vez que a Doxologia [“Glória ao Pai...”] for rezada ou cantada. Também quando pedir que o Senhor receba a nossa oração. (“Senhor, escutai a nossa prece” etc, e ao fim das orações presidenciais: “Por Cristo nosso Senhor” etc.)

Gloria: fazer inclinação de cabeça ao nome de Jesus. (“Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito...”, “Só vós o Altíssimo, Jesus Cristo...”)

Liturgia da Palavra

Sentar-se para as leituras da Sagrada Escritura.

Ficar de pé para o Evangelho ao verso do Alleluia.

Quando o ministro anunciar o Evangelho, traçar o sinal da Cruz com o polegar na cabeça, nos lábios e no coração. Esse gesto é uma forma de oração para pedir a presença da Palavra de Deus na mente, nos lábios e no coração.

Sentar-se para a homilia.

Credo: De pé; fazer inclinação ao nome de Jesus; na maioria dos Domingos durante o Incarnatus (“e se encarnou pelo Espírito Santo... e se fez homem”); nas solenidades do Natal e da Anunciação todos se ajoelham a essas palavras.

Fazer o sinal da Cruz na conclusão do Credo, às palavras: “..e espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir. Amém.”

Liturgia Eucarística

Sentar-se durante o ofertório.

Ficar de pé quando o sacerdote disser “Orai, irmãos e irmãs...” e permanecer de pé para responder “Receba o Senhor este sacrifício...”

Se for usado incenso, o povo se levanta e faz inclinação de cabeça ao turiferário quando ele fizer o mesmo, tanto antes como depois da incensação do povo.

Permanecer de pé até o final do Sanctus (Santo, Santo, Santo...”), quando se ajoelha durante toda a Oração Eucarística.

No momento da Consagração de cada espécie, inclinar a cabeça e pronunciar silenciosamente “Meu Senhor e meu Deus”, reconhecendo a presença de Cristo no altar. Estas são as palavras de São Tomé quando ele reconheceu verdadeiramente a Cristo quando Este apareceu diante dele (Jo 20,28). Jesus disse: “Acreditaste porque me viste. Felizes os que acreditaram sem ter visto” (Jo 20,29).

Ficar de pé ao convite do sacerdote para a Oração do Senhor.

Com reverência, unir as mãos e inclinar a cabeça durante a Oração do Senhor.

Manter-se de pé para o sinal da paz, após o convite. (O sinal da paz pode ser um aperto de mãos ou uma inclinação de cabeça à pessoa mais próxima, acompanhada das palavras “A paz esteja contigo”.)

Na recitação (ou canto) do Agnus Dei (“Cordeiro de Deus...”), bater no peito às palavras “Tende pedade de nós”.

Ajoelhar-se ao fim do Agnus Dei (“Cordeiro de Deus...”).

Fazer inclinação de cabeça e bater no peito ao dizer: “Domine, non sum dignus... (“Senhor, eu não sou digno...”).

Recepção da Comunhão

Deixar o banco (sem genuflexão) e caminhar com reverência até o altar, com as mãos unidas em oração.

Fazer um gesto de reverência ao se aproximar do ministro em procissão para receber a Comunhão. Se ela for recebida de joelhos, não se faz nenhum gesto adicional antes de recebê-la.

Pode-se receber a Hóstia tanto na língua como na mão.de preferência receba a comunhão da boca, com o uso da patena, que foi criada justamente para esta finalidade. Caso você opte por comungar na mão ou não possa comungar na boca, ao menos verifique suas mãos.

Para o primeiro caso, abrir a boca e estender a língua, de modo que o ministro possa depositar a Hóstia de forma apropriada. Para o outro caso,as condições para receber a comunhão na mão são de bom senso:que se manifeste respeito pela presença real de Cristo, que o gesto seja realizado com nobreza, que se diga claramente "amém", que se comungue imediatamente e na frente do ministro, que seja este que coloque a hóstia na mão do comungante, que as mãos estejam limpas etc, posicionar uma mão sobre a outra, de palmas abertas, para receber a Hóstia. Com a mão de baixo, tomar a Hóstia e com reverência depositá-la na sua boca. (Ver as diretrizes da Santa Sé de 1985).

Quando carregando uma criança, é muito mais apropriado receber a Comunhão na língua.

Se comungar também do cálice, fazer o mesmo gesto de reverência ao se aproximar do ministro.

Fazer o sinal da Cruz após ter recebido a Comunhão.

Ajoelhar-se em oração ao retornar para o banco depois da Comunhão, até o sacerdote se sentar, ou até que ele diga “Oremos”.

Ritos Finais
Ficar de pé para os ritos finais.

Fazer o sinal da Cruz durante a bênção final, quando o sacerdote invocar a Trindade.

Permanecer de pé até que todos os ministros tenham saído em procissão. (Se houver procissão recessional, fazer inclinação ao crucifixo quando ele passar.)

Se houver um hino durante o recessional, permanecer de pé até o final da execução. Se não houver hino, permanecer de pé até que todos os ministros tenham se retirado da parte principal da igreja.

Depois da conclusão da Missa, pode-se ajoelhar para uma oração privada de ação de graças.

Fazer genuflexão ao Santíssimo Sacramento e ao Altar do Sacrifício ao sair do banco, e deixar a (parte principal da) igreja em silêncio.

Fazer o sinal da Cruz com água benta ao sair da igreja, como recordação batismal de anunciar o Evangelho de Cristo a toda criatura.

 Obviamente, essas orientações devem ser levadas ainda mais a sério por aqueles que exercem funções litúrgicas, como leitores, músicos e, especialmente, os ministros extraordinários da Comunhão Eucarística. Estes acabam servindo como modelo de comportamento para toda a assembleia.

Seguindo essas dicas, com certeza, conseguirá vivenciar melhor este grande Mistério.
A paz de Cristo!
 "Deus Pai, eu Vos ofereço, pelo Coração Imaculado de Maria, o sacrifício da Santa Missa, com o sacerdote e através dele, com verdadeiro espírito de imolação. Ofereço-vos constantemente o sacrifício de todas as Santas Missas que se celebram no mundo inteiro, e com pura intenção me uno ao Santo Padre e a todos os sacerdotes, oferecendo-vos os méritos dos sofrimentos da Paixão e Morte de vosso Unigênito Filho. Com a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, torno-me uma constante união de sacrifício n'Ele e com Ele, para Vos adorar no mais alto grau de perfeição. Amém."