sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Devoção ao Imaculado Coração de Maria


Através dos séculos, Papas, Santos, e muitos bons e santos Teólogos ensinaram a importância da devoção e das orações dirigidas à Bem-Aventurada Sempre Virgem Maria. Ora é necessário rezar à Bem-Aventurada Sempre Virgem Maria do modo que os Santos nos ensinaram.
Também a Santa Igreja Católica, pilar e alicerce da Verdade, inspirada e orientada pelo Espírito Santo, ensinou de modo consistente através dos séculos esta doutrina e esta prática. A Santíssima Virgem Maria é “Vida, Doçura, e Esperança Nossa”, como tão bem expressa a Salve Regina – a oração milenar da Salve Rainha. Estes títulos e realidades são defendidos contra os ataques dos Protestantes e dos Modernistas por Santo Afonso Maria de Ligório, no seu livro As Glórias de Maria.
O Papa Leão XIII diz-nos que todas as graças nos vêm de Deus, através da Santa Humanidade de Jesus Cristo, e que é pelas Mãos da Bem-Aventurada Sempre Virgem Maria que chegam até nós. É evidente vermos, a partir desta ordem estabelecida por Deus para a nossa Salvação, que Deus vem em primeiro lugar e acima de todas as coisas – depois, a Sua Santa Humanidade em Jesus Cristo – e depois, Santa Maria Mãe de Jesus. E só depois de Maria é que vem a importância da Santa Igreja Católica. É que Maria é a Mãe da Igreja, e o membro da Igreja mais elevado a seguir a Jesus Cristo, que é a Cabeça.
O papel da Bem-Aventurada Sempre Virgem Maria, como Aquela que encaminha as almas para o Céu, ficou a ser mais ampla e mais profundamente compreendido pela Fé Católica (nos últimos 150 anos) a partir da Definição da Sua Imaculada Conceição, em 1854, e do Dogma da Assunção, definido em 1950. Qual a razão para este crescendo do  importante papel da Virgem Santíssima, é o que explica S. Luís Grignion de Montfort, num pequeno ensaio que a seguir transcrevemos.
É certo que o demónio, Seu inimigo de sempre, Lhe armou um contra-ataque: contra Nossa Senhora e contra a devoção a Nossa Senhora. Nós mesmos presenciámos o desenrolar deste combate, especialmente durante os últimos 40 anos, desde o fim do Concílio Vaticano II.
Recresce a batalha pela perdição das almas neste tempo de Apostasia, e o alvo é cada um de nós – nós, os filhos da Nossa Mãe Santíssima, nós que acreditamos em Seu Divino Filho, Jesus Cristo, a Quem prestamos obediência.
Para além do ensinamento dos Santos (como Santo Afonso Maria de Ligório, S. Luís G. de Montfort, S. Bernardo, Santo António Maria Claret, S. Maximiliano Kolbe e tantos outros) e dos Papas (em especial entre 1750 e 1960) sobre a importância, as vantagens e a necessidade da Devoção a Nossa Senhora – a Igreja Católica, guiada pelo Espírito Santo, tem vindo a receber uma série imensa de intervenções divinas por meio de aparições de Nossa Senhora. Ela apareceu na Rue du Bac em 1830; em La Salette, em 1846; em Lourdes, em 1858; em Knock, em 1878; e, acima de todas, em Fátima, em 1917.
Aprovadas e certificadas como merecedoras de crença pela Igreja Católica, as aparições de Fátima foram-no também pelo próprio Deus, através do apocalíptico Milagre do Sol, ocorrido a 13 de Outubro de 1917, perante 70 mil testemunhas.
É com a Mensagem de Fátima e por meio da Irmã Lúcia que surge o grande ímpeto do florescimento da devoção ao Imaculado Coração de Maria. Deste assunto se voltará a falar mais adiante.
 
 
Função Providencial de Maria
Santíssima nos últimos tempos
Por São Luís Grignion de Montfort († 1715 AD)
Foi por Maria que começou a salvação do mundo, e é igualmente por Maria que ela será consumada.
Maria aparece muito discretamente na primeira vinda de Jesus Cristo, para que os Homens, ainda pouco instruídos e iluminados sobre a Pessoa de Seu Filho, não se desviassem da Verdade, agarrando-se a Ela com força demais e elevação de menos.
Aparentemente, era o que teria acontecido se a Senhora tivesse sido conhecida, devido aos admiráveis encantos com que o Altíssimo A tinha adornado, inclusivamente quanto à Sua aparência externa. Isto é tão verdade que S. Dinis Areopagita nos deixou nos seus escritos que, quando viu a Bem-Aventurada Senhora Nossa, teria pensado tratar-se de uma divindade, tais eram os Seus encantos velados e a Sua incomparável beleza – não fosse a inabalável Fé em que ele se firmava ensinar-lhe o contrário. (S.A., 842. Epistola ad Pauleum).
Na segunda vinda de Jesus Cristo, porém, Maria tem de ser dada a conhecer pelo Espírito Santo, para que, através d’Ela, Jesus Cristo possa ser conhecido, amado e servido. As razões que levaram o Espírito Santo a esconder a Sua Esposa enquanto foi viva, revelando-A apenas um pouco desde a pregação do Evangelho, não mais subsiste.
Existência desta função e sua razão de ser:
Portanto, Deus quer revelar e fazer conhecer Maria, a obra-prima das Suas mãos, nestes que são os últimos tempos:
1. Porque, pela Sua profunda humildade, Ela se escondeu a si mesma no mundo e Se colocou mais baixo do que o pó, tendo obtido de Deus e dos Seus Apóstolos e Evangelistas que não se manifestasse.

2. Porque, sendo Nossa Senhora a obra-prima das mãos de Deus, tanto na terra pela graça como no Céu pela glória, Ele quer ser glorificado e louvado n’Ela por aqueles que vivem sobre a terra.

3. Tal como Nossa Senhora é a aurora que precede e revela o Sol da Justiça, que é Jesus Cristo, Ela deve ser vista e reconhecida para que Jesus Cristo também o possa ser.

4. Sendo Ela o Caminho pelo qual Jesus chegou até nós da primeira vez, será Ela igualmente o Caminho pelo qual Ele virá pela segunda vez, embora não do mesmo modo.

5. Sendo Ela a Via Segura, Recta e Imaculada para chegar até Jesus Cristo e O encontrar com toda a perfeição, é por Ela que as almas mais resplandecentes em santidade têm de encontrar a Nosso Senhor. Quem encontrar Maria encontra a Vida (Prov. 8:35) ou seja, Jesus Cristo que é o Caminho, a Verdade e a Vida (S. João 14:6). Mas ninguém pode encontrar Maria se não a procurar; e ninguém A pode procurar se não A conhecer, pois não podemos buscar ou desejar algo desconhecido. Portanto, é necessário, para o maior conhecimento e glória da Santíssima Trindade, que Maria seja conhecida – agora mais do que nunca.

6. Maria deve, agora mais do que nunca, iluminar tudo diante d’Ela, em misericórdia, em poder e em graça, nestes últimos tempos. Em misericórdia, para fazer arrepiar caminho e receber amorosamente os pobres pecadores extraviados, a fim de que se convertam e voltem ao seio da Igreja Católica; em poder, contra os inimigos de Deus – idólatras, cismáticos, maometanos, judeus e almas endurecidas na impiedade, que se erguem numa terrível revolta contra Deus – a fim de seduzir todos os que se lhes opõem, e de os vencer através de promessas e ameaças; e, finalmente, Maria deverá iluminar tudo em graça, por forma a animar, sustentando-os, os valentes soldados e fiéis servos de Jesus Cristo, que devem combater pelos Seus interesses.

7. Por último, Maria deve ser implacável para com o demónio e seus sequazes, tal como um exército ordenado para a batalha, principalmente nestes últimos tempos; porque o demónio, sabendo que lhe resta pouco tempo (e agora ainda menos) para perder as almas, a cada dia irá redobrar os seus esforços e combates. É a sua hora de erguer cruéis perseguições e de armar terríveis ciladas aos fiéis servos e verdadeiros filhos de Maria, cuja conquista lhe dá mais dificuldade do que a conquista de quaisquer outros.

Exercício desta função na luta contra Satanás:
É sobretudo a respeito destas últimas e cruéis perseguições do demónio, que se irão desenrolando num crescendo diário até ao reinado do Anti-Cristo, que nós devemos compreender a primeira e bem conhecida predição e maldição de Deus, por Ele pronunciada contra a serpente, ainda no Paraíso terreal. É nosso propósito explicar isto aqui, para glória da Santíssima Virgem, para a salvação dos Seus filhos e para a confusão do demónio:
“Eu porei inimizade entre ti e a Mulher, entre a tua descendência e a descendência d’Ela; Ela esmagar-te-á a cabeça e tu acometerás o Seu calcanhar.” (Gén. 3:15).
(Fim da citação de S. Luís Grignion de Montfort)




FATIMA E O IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA
Nosssa Senhora apareceu aos Três Pastorinhos em Fátima (Portugal), durante seis meses consecutivos, de Maio a Outubro. A data marcada era o dia 13 de cada mês. Focamos aqui apenas uma parte das aparições e o diálogo entre a Lúcia – que, dos pastorinhos, era quem falava – e Nossa Senhora, enquanto os dois primitos olhavam e escutavam. Retiramos estas passagens das Memórias da Irmã Lúcia que regista estes eventos porque eles focalizam a importância da Devoção ao Imaculado Coração de Maria.
13 de Junho de 1917: A 13 de Junho de 1917, Nossa Senhora apareceu aos três pastorinhos e disse-lhes que voltassem ali no dia 13 de Julho. Uma vez mais lhes pediu que rezassem o Terço todos os dias. E a conversação continuou:
A Lúcia disse: “-Queria pedir-lhe para nos levar para o Céu.”
Nossa Senhora respondeu: “-Sim, a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-Se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. A quem a abraçar, prometo a salvação; e serão queridas de Deus estas almas, como flores postas por Mim a adornar o Seu Trono.” 
A Lúcia perguntou com pena: “-Fico cá sozinha?” 
  E Nossa Senhora: “Não, filha. E tu sofres muito por isso? Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O Meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus.” 
Lúcia: “Foi no momento que disse estas últimas palavras que abriu as mãos […] pela segunda vez […] À frente da palma da mão direita de Nossa Senhora estava um Coração cercado de espinhos que parecia estarem-Lhe cravados. Compreendemos que era o Coração Imaculado de Maria, ultrajado pelos pecados da humanidade, que queria reparação.” 
13 de Julho de 1917:  O tema do Imaculado Coração de Maria está especialmente vincado nesta aparição de 13 de Julho. A sua importância fulcral, tanto para o nosso tempo como para cada um de nós torna-se clara se reflectirmos sobre a Aparição. Citamos aqui a partir das Memórias da Irmã Lúcia. É a Lúcia quem fala primeiro. 
“-Vossemecê que me quer? – perguntei eu.
-Quero que venham aqui no dia 13 do mês que vem, que continuem a rezar o Terço todos os dias, em honra de Nossa Senhora do Rosário para obter a paz do mundo e o fim da guerra, porque só Ela lhes poderá valer. 
-Queria pedir-Lhe para nos dizer Quem é, e para fazer um milagre com que todos acreditem que Vossemecê nos aparece. 
-Continuem a vir aqui todos os meses. Em Outubro direi Quem sou e o que quero, e farei um milagre que todos hão-de ver para acreditar. […] 
Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes [a Jesus], em especial sempre que fizerdes algum sacrifício: ‘Ó Jesus, é por Vosso amor, pela conversão dos pecadores, e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria.’ ”
A primeira parte do Segredo


A Irmã Lúcia continua:  “Ao dizer estas últimas palavras, [Nossa Senhora] abriu de novo as mãos como nos dois meses passados. O reflexo pareceu penetrar a terra e vimos como que um mar de fogo. Mergulhados nesse fogo, os demónios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras, ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio, levadas pelas chamas que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhantes ao cair das faúlhas nos grandes incêndios, sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero, que horrorizavam e faziam estremecer de pavor (devia ser ao deparar-me com esta vista que dei esse ai! que dizem ter-me ouvido). Os demónios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa.” (Aqui, na sua Terceira Memória, Lúcia acrescentou) “Esta vista foi um momento. E graças à nossa boa Mãe do Céu, que antes nos tinha prevenido com a promessa de nos levar para o Céu (na primeira aparição). Se assim não fosse, creio que teríamos morrido de susto e pavor.
“Assustados e como que a pedir socorro, levantámos a vista para Nossa Senhora, que nos disse, com bondade e tristeza:
-Vistes o Inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração.’”
A segunda parte do Segredo 
Nossa Senhora continuou a falar, e o que se segue constitui a segunda parte do Segredo de Fátima. 
“Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar. Mas, se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior. Quando virdes uma noite alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre.
“Para a impedir, virei pedir a Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração, e a Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados. Se atenderem a Meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados; o Santo Padre terá muito que sofrer; várias nações serão aniquiladas.” 
A terceira parte do Segredo
 
“Em Portugal, se conservará sempre o dogma da Fé, etc.”  `
A conclusão do Segredo
“Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz.” 


Os pedidos de Nossa Senhora de Fátima
quanto à Devoção ao Imaculado Coração de Maria
Como foi referido acima – no Segundo Segredo –, a 13 de Julho de 1917 Nossa Senhora prometeu que voltaria mais tarde, para pedir a Comunhão de Reparação nos Primeiros Sábados. E foi a 10 de Dezembro de 1925, que Nossa Senhora voltou a aparecer à Irmã Lúcia, na cidade espanhola de Pontevedra. O excerto seguinte é de Frei Michel, que explica em mais pormenor a aparição e a devoção.
Que promessa tão admirável e assombrosa aquela que fez Nossa Senhora no dia 13 de Junho de 1917, quando disse: “A quem abraçar esta devoção, Eu prometo a salvação.” Mas, apesar desta promessa, ficamos ainda tentados a duvidar. Por uma graça especial, a Beata Jacinta14  sentia o coração consumido por um amor ardente ao Imaculado Coração de Maria. E nós? Ficamos frios, ou o nosso fervor dura muito pouco. Poderíamos alguma vez saber se a nossa devoção é assim tão grande para que Nossa Senhora quisesse manter a Sua promessa para connosco? 
É neste ponto que ficamos assombrados pela ilimitada Misericórdia Divina e pelo carácter profundamente católico das revelações de Fátima. Não há sequer, em toda a mensagem, vestígios do subjectivismo protestante! Aqui, o Céu vai até aos limites da indulgência, e as profecias mais sublimes transformam-se em pedidos muito pequenos, claros e precisos, pedidos fáceis que não dão lugar à dúvida. Todos podem saber se os conseguiram realizar ou não. Uma “pequena devoção”, praticada de coração generoso, é suficiente para todos nós recebermos infalivelmente esta graça, –  ex opere operato – quer dizer, tal como acontece com os sacramentos. E a graça que receberemos é a graça da salvação eterna!
Vale a pena estudar cuidadosamente esta promessa tão magnífica. Este é o cumprimento e a expressão perfeita da primeira parte do grande Segredo que, na sua totalidade, se refere à salvação das almas.
De Fátima a Pontevedra – o cumprimento do Segredo: Ao descrever as aparições e ao explicar a mensagem de Pontevedra, falaremos apenas das palavras pronunciadas por Nossa Senhora a 13 de Julho de 1917. São palavras concisas, mas muito ricas em significado: 
“Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas … virei pedir… a Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados de cada mês.”
Portanto, é este o primeiro “Segredo de Maria” que nós devemos descobrir e entender. É uma forma segura e fácil de arrancar as almas aos perigos do inferno: primeiro, as nossas almas; e também a do nosso próximo; e até as almas dos maiores pecadores – porque a misericórdia e o poder do Imaculado Coração de Maria não têm limites. 
Pontevedra – 10 de Dezembro de 1925
A Aparição do Menino Jesus e de Nossa Senhora


Frei Michel continua: 
Na noite de quinta-feira, 10 de Dezembro, logo depois do jantar, a jovem postulante Lúcia – que tinha apenas 18 anos – voltou à sua cela. Foi ali que recebeu a visita de Nossa Senhora e do Menino Jesus. Escutemos a sua narração (escrita na terceira pessoa):  “A 10 de Dezembro de 1925, apareceu-lhe a Santíssima Virgem e, a Seu lado, suspenso numa nuvem luminosa, um Menino. A Santíssima Virgem, pondo-lhe no ombro a mão, mostrou-lhe um Coração cercado de espinhos que tinha na outra mão. Ao mesmo tempo, disse o Menino: 
Tem pena do Coração de tua Mãe Santíssima, que está coberto de espinhos que os Homens ingratos a todos os momentos Lhe cravam, sem haver quem faça um acto de reparação para  os tirar.’
 E a Santíssima Virgem disse-lhe:
“Olha, Minha filha, o Meu Coração cercado de espinhos que os Homens ingratos a todos os momentos Me cravam com blasfémias e ingratidões. Tu, ao menos, vê de Me consolar e diz que, todos aqueles que durante cinco meses (seguidos) no Primeiro Sábado, se confessarem, recebendo a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço e Me fizerem 15 minutos de companhia, meditando nos 15 Mistérios do Rosário com o fim de Me desagravar, Eu prometo assistir-lhes à hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas.’
O espírito da Devoção de Reparação
A Revelação de 29 de Maio de 1930
   
Frei Michel continua:  A Irmã Lúcia estava em Tuy nessa época. O seu confessor, o Padre Gonçalves, tinha-lhe feito uma série de perguntas por escrito. Lembramos só a quarta: “Porque hão-de ser cinco sábados – perguntou ele – e não nove, ou sete em honra das Dores de Nossa Senhora?” Nessa mesma noite, a vidente implorou a Nosso Senhor que a inspirasse com uma resposta a essas perguntas. Poucos dias depois, ela enviou o seguinte ao seu confessor:
“Ficando na capela, com Nosso Senhor, parte da noite do dia 29 para 30 deste mês de Maio de 1930 (sabemos que era seu costume ter uma hora santa das onze à meia-noite, especialmente às quintas-feiras, segundo os pedidos do Sagrado Coração de Jesus em Paray-le-Monial), e falando a Nosso Senhor das duas perguntas, quarta e quinta, senti-me, de repente, possuída mais intimamente da Sua Divina Presença. E, se não me engano, foi-me revelado o seguinte: 
‘Minha filha, o motivo é simples: são cinco as espécies de ofensas e blasfémias proferidas contra o Imaculado Coração de Maria:
1. As blasfémias contra a Imaculada Conceição.  2. As blasfémias contra a Sua Perpétua Virgindade.  3.  As blasfémias contra a Sua Maternidade Divina, recusando, ao mesmo tempo, recebê-La como Mãe dos homens.  4. As blasfémias dos que procuram publicamente infundir, no coração das crianças, a indiferença, o desprezo e até o ódio para com esta Imaculada Mãe. 5. As ofensas daqueles que A ultrajam directamente nas Suas sagradas imagens.
“Eis, Minha filha, o motivo pelo qual o Imaculado Coração de Maria Me levou a pedir esta pequena reparação…’  É também certo que os pecados mais graves contra a Santíssima Virgem são, primeiro que tudo, pecados contra a Fé. Esta importante leitura dos factos deve ter-se sempre em mente.

A Devoção de Reparação:
um segredo de misericórdia para com os pecadores


Frei Michel diz ainda:  Depois de enumerar as cinco blasfémias que ofendem gravemente a Sua Mãe Santíssima, Nosso Senhor deu à Irmã Lúcia a explicação decisiva que nos permite penetrar no segredo do Seu Imaculado Coração, transbordante de misericórdia para com todos os pecadores, até mesmo para com aqueles que A desprezam e ultrajam:  
“Eis, Minha filha, o motivo pelo qual o Imaculado Coração de Maria Me levou a pedir esta pequena reparação e, em atenção a ela, mover a Minha misericórdia ao perdão para com essas almas que tiveram a desgraça de A ofender. Quanto a ti, procura sem cessar, com as tuas orações e sacrifícios, mover-Me à misericórdia para com essas pobres almas.”
“O pecado contra o Espírito Santo”
Aqui temos um dos temas principais da Mensagem de Fátima. Uma vez que Deus decidiu manifestar cada vez mais o Seu grande desígnio de Amor – que consiste em conceder aos Homens todas as graças, através da mediação da Virgem Imaculada –, parece que a recusa dos Homens em se submeterem com docilidade à vontade de Deus assim expressa é a falta que mais gravemente fere o Seu Coração, que já não encontra em Si próprio nenhuma inclinação para perdoar. Parece um pecado sem perdão, porque para o Nosso Salvador não há crime mais imperdoável que o de desprezar a Sua Mãe Santíssima e o de “ultrajar o Seu Imaculado Coração, que é o Santuário do Espírito Santo. Isto é cometer ‘a blasfémia contra o Espírito Santo, que não será perdoada neste mundo nem no outro.’ ”  
Em 1929, na aparição de Tuy – que é o cumprimento final de Fátima –, Nossa Senhora conclui a manifestação extraordinária da Santíssima Trindade com estas palavras surpreendentes: “São tantas as almas que a Justiça de Deus condena, por pecados contra Mim cometidos, que venho pedir reparação. Sacrifica-te por esta intenção e ora”.
A guerra ou a Paz no mundo dependem
desta Devoção de Reparaçao
Com efeito, para além da conversão dos pecadores e da nossa salvação eterna, Nossa Senhora determinou que a Comunhão Reparadora ficasse unida a outra promessa magnífica: o dom da Paz. A 19 de Março de 1939, a Irmã Lúcia escrevia: 
“Da prática desta devoção, unida à consagração ao Coração Imaculado de Maria, depende a guerra ou a paz do Mundo. Por isso eu desejava tanto a sua propagação, e, sobretudo, por ser essa a vontade do nosso bom Deus e da nossa tão querida Mãe do  Céu...”
E no dia 20 de Junho do mesmo ano:
“Nossa Senhora prometeu adiar para mais tarde o flagelo da guerra, se for propagada e praticada esta devoção. Vemo-La afastando esse castigo à medida que se vão fazendo esforços para a propagar; mas eu tenho medo que nós possamos fazer mais do que fazemos e que Deus, pouco contente, levante o braço da Sua Misericórdia e deixe o mundo assolar-se com esse castigo, que será como nunca houve, horrível, horrível.”
O pedido da Consagração da Rússia
Em 13 de Julho de 1917, como vimos na segunda parte do Segredo, Nossa Senhora disse à Lúcia que havia de voltar mais tarde, para pedir a Consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração. E Nossa Senhora voltou para formular este pedido, tal como prometera.
A 13 de Junho de 1929, estava a Irmã Lúcia na capela do seu convento em Tuy, cidade de Espanha junto à fronteira de Portugal. Ela própria nos descreve o que aconteceu e, por isso, citamos inteiramente as suas palavras, acrescentando apenas alguns subtítulos. 
Escreveu a Irmã Lúcia: “Foi nesta época que Nosso Senhor me avisou de que era chegado o momento em que queria participasse à Santa Igreja o Seu desejo da consagração da Rússia, e a Sua promessa de a converter... A comunicação foi assim:”
A Hora Santa de Adoração e Reparação:  13 de Junho de 1929 – “Eu tinha pedido e obtido licença das minhas Superioras e Confessor para fazer a Hora Santa das 11 à meia-noite, de quintas para sextas-feiras.
“Estando uma noite só, ajoelhei-me entre a balaustrada, no meio da capela, a rezar, prostrada, as Orações do Anjo. Sentindo-me cansada, ergui-me e continuei a rezá-las com os braços em cruz.  A única luz era a da lâmpada [do santuário].” 
Uma imponente Teofania Trinitária:  “De repente iluminou-se toda a Capela com uma luz sobrenatural e sobre o Altar apareceu uma Cruz de luz que chegava até ao tecto. 
Em uma luz mais clara via-se, na parte superior da Cruz, uma face de Homem com corpo até à cinta, sobre o peito uma pomba também de luz e, pregado na Cruz, o Corpo de outro Homem. 
Um pouco abaixo da cinta, suspenso no ar, via-se um Cálix e uma Hóstia grande, sobre a Qual caíam algumas gotas de Sangue que escorriam pelas faces do Crucificado e de uma ferida do peito. Escorregando pela Hóstia, essas gotas caíam dentro do Cálix.
Sob o braço direito da Cruz estava Nossa Senhora com o Seu Imaculado Coração na mão… (Era Nossa Senhora de Fátima com o Seu Imaculado Coração… na Sua mão esquerda… sem a espada nem rosas, mas com uma coroa de espinhos e chamas…).
Sob o braço esquerdo [da Cruz], umas letras grandes, como se fossem de água cristalina que corresse para cima do Altar, formavam estas palavras: «Graça e Misericórdia». 
Compreendi que me era mostrado o Mistério da Santíssima Trindade e recebi luzes sobre este Mistério que não me é permitido revelar.” 
O Pedido de Consagração da Rússia:    “Depois, Nossa Senhora disse-me:  ‘É chegado o momento em que Deus pede para o Santo Padre fazer, em união com todos os Bispos do Mundo, a Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração, prometendo salvá-la por este meio.’ 
São tantas as almas que a Justiça de Deus condena, por pecados contra Mim cometidos, que venho pedir Reparação. Sacrifica-te por esta intenção e ora.’ 
“Dei conta disto ao confessor, que me mandou escrever o que Nosso Senhor queria se fizesse.”
A terrível revelação do Verão de 1931:
“Não quiseram atender ao Meu pedido”
Uma vez que o Papa e os seus conselheiros preferiram ignorar, durante dois anos, as palavras de Nossa Senhora de Fátima que afirmavam, explicitamente, o Soleníssimo Pedido de Deus para que se fizesse a consagração da Rússia, foi o próprio Jesus que, em Agosto de 1931, veio falar à Irmã Lúcia em Rianjo (Espanha). 
Vejamos primeiro a carta escrita pela Irmã Lúcia em 29 de Agosto de 1931, na qual a vidente transmite ao seu bispo esta mensagem, da mais alta importância na economia da Mensagem de Fátima: 
“O meu confessor ordena-me que informe Vossa Excelência do que aconteceu já há algum tempo entre mim e o Bom Jesus: quando eu estava a pedir a Deus pela Conversão da Rússia, Espanha e Portugal, pareceu-me que a Sua Divina Majestade me disse: 
‘Tu consolas-Me muito, ao pedires-Me a conversão dessas pobres nações. Pede-o também à Minha Mãe muitas vezes, dizendo: Doce Coração de Maria, sede a salvação da Rússia, de Espanha, de Portugal, da Europa e de todo o mundo. De outras vezes, diz: Pela Vossa pura e Imaculada Conceição, ó Maria, obtende-me a conversão da Rússia, de Espanha, de Portugal, da Europa e do mundo inteiro.’ 
Então Jesus disse:  
‘Participa aos Meus ministros que, dado seguirem o exemplo do rei de França na demora em executar o Meu mandato, tal como a ele aconteceu, assim o seguirão na aflição. Nunca será tarde demais para recorrer a Jesus e a Maria.’ 
“Mais tarde, por meio duma comunicação íntima, Nosso Senhor disse-me, queixando-Se:
Não quiseram atender ao Meu pedido! […] Como o Rei de França, arrepender-se-ão e fá -la-ão, mas será tarde. A Rússia terá já espalhado os seus erros pelo mundo, provocando guerras e perseguições à Igreja. O Santo Padre terá muito que sofrer!’” 
A Mensagem de Fátima explica:


Jesus quer que, ao lado da Devoção ao Seu Sagrado Coração, seja posta a Devoção ao Imaculado Coração de Maria
Em vários pontos da Mensagem de Fátima a devoção ao Sagrado Coração de Jesus é promovida juntamente com a devoção ao Imaculado Coração de Maria.
A Mensagem do Anjo de Fátima


Primeiro, há as palavras do Anjo da Paz, na Primavera de 1916, aos três pastorinhos de Fátima:
  “Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.”  
E o Anjo voltou a falar-lhes no Verão de 1916: 
“Os Corações Santíssimos de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia.”
Depois, no Outono de 1916, o mesmo Anjo ensina-lhes uma oração que termina dizendo:
“E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração [de Jesus] e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.” 
Este tema dos Sagrados Corações de Jesus e Maria que se encontra na Mensagem de Fátima, vemo-lo de novo nas aparições de Jesus e de Maria à Irmã Lúcia em Pontevedra e em Tuy, a que já nos referimos.
É o mesmo tema que se revela tanto nas orações que Jesus nos ensinou, para rezarmos em honra da Pura e Imaculada Conceição de Nossa Senhora, como na oração ao Doce Coração de Maria dada em Rianjo.
Jesus aborda este assunto de forma explícita: 
Mas a mensagem mais impressionante sobre a importância de reunir a devoção ao Sagrado Coração de Jesus à do Imaculado Coração de Maria é a que ressalta do diálogo de Jesus com a Irmã Lúcia, em 1936. Citamo-lo directamente da carta de 18 de Maio de 1936, dirigida pela Irmã Lúcia ao seu director espiritual que fizera várias perguntas. E ela responde: 
“(...) Quanto à outra pergunta: Se será conveniente insisir para obter a consagração da Rússia?, respondo quase o mesmo que das outras vezes tenho dito. Sinto que não se tenha já feito; mas o mesmo Deus que a pediu, é que assim o permitiu. Vou a dizer algo do que sinto a este respeito, ainda que é matéria bastante delicada para se enviar por uma carta, com perigo de se perder e ser lida; mas ao mesmo Deus a confio, porque tenho receio de não tratar o assunto com toda a claridade.
“Se é conveniente insistir? Não sei. Parece-me que, se o Santo Padre agora a fizesse, Nosso Senhor a aceitava e cumpria a Sua promessa; e, sem dúvida, seria um gosto que dava a Nosso Senhor e ao Imaculado Coração de Maria. (a sua carta continua:)
(Lúcia) “Intimamente, tenho falado a Nosso Senhor do assunto; e há pouco perguntava-Lhe porque não convertia a Rússia sem que Sua Santidade fizesse essa consagração.

(Jesus) ‘Porque quero que toda a Minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Coração Imaculado de Maria, para depois estender o Seu culto e pôr, ao lado da devoção do Meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração.’
“Mas, meu Deus, o Santo Padre não me há-de crer, se Vós mesmo o não moveis com uma inspiração especial.”
‘O Santo Padre! Ora muito pelo Santo Padre. Ele há-de fazê-la, mas será tarde! No entanto, o Imaculado Coração de Maria há-de salvar a Rússia. Está-Lhe confiada.’


Oração pela Igreja
Ó Espírito Santo, Criador, Esposo de Maria, sede bondoso à Vossa Igreja Católica. Pelo Vosso Poder Celestial, fazei-a forte e segura contra os ataques dos seus inimigos, tanto de dentro como de fora. Renovai na caridade e na graça o espírito dos Vossos servos, que Vós ungistes, para que possam glorificar-Vos, e ao Pai, e ao Seu Filho unigénito, Jesus Cristo, Nosso Senhor.
Maria, Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, vedes como a Fé Católica está a ser atacada pelo demónio e pelo mundo, aquela Fé em que desejamos, com a ajuda de Deus, viver e morrer. Confiamo-Vos o nosso firme propósito de nunca nos associarmos a assembleias de hereges ou a sociedades secretas. Santíssima Virgem, Mãe de Deus, oferecei ao Vosso Divino Filho as nossas resoluções e obtende d’Ele as graças necessárias para que nós sejamos fiéis a elas até ao fim. Amen.
Santa Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por nós.
Oração pelo Santo Padre
  Oremos pelo nosso Santo Padre, o Papa N______________. Que o Senhor o proteja e lhe dê vida e o abençoe sobre a terra, para que não seja entregue ao poder dos seus inimigos.
Oração pelos Bispos e Sacerdotes
 
Sagrado Coração de Jesus, Sumo Sacerdote Divino e Eterno, que as águas vivificantes do Vosso Amor corram para os corações dos Vossos Bispos e Sacerdotes e os transformem em Vossas imagens vivas. Pela Vossa graça, fazei-os apóstolos verdadeiros do Vosso Sagrado Coração.
Salvai as almas através dos Vossos Bispos e Sacerdotes; acompanhai-os no percurso da vida. Dai-lhes a graça especial de atrair os pecadores ao Vosso Sagrado Coração, Refúgio de pecadores, para que possam encontrar o perdão e a salvação.
Sagrado Coração de Jesus, rezo para que se cumpra esta promessa que fizestes a Santa Margarida Maria: “Darei aos sacerdotes o dom de tocar os corações mais endurecidos”. Que o Vosso Reino chegue aos corações dos homens pela acção de Bispos e Sacerdotes verdadeiramente santos.
Ó Maria, Mãe do Sumo Sacerdote, protegei todos os Bispos e Sacerdotes dos perigos que ameaçam as suas santas vocações. Que o Vosso Imaculado Coração seja o seu refúgio e consolação durante as tentações, as provações e a solidão, para que possamos ver em breve “todas as coisas restauradas em Cristo”.
Sabemos que, para combater o terror espiritual que assedia a Santa Madre Igreja no nosso tempo, a Sabedoria Incarnada enviou o Imaculado Coração de Maria a Fátima para nos ajudar, aconselhar e alumiar, e para proteger todos os fiéis de Jesus Cristo, para  podermos salvar as nossas almas e as daqueles que Deus colocar no nosso caminho.
Reconhecemos que a Santíssima Virgem também fez um pedido muito importante ao Papa e aos Bispos, para que solene e publicamente, no mesmo dia, consagrassem especificamente a Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Rezamos para que todos eles recebam a graça necessária para cumprirem depressa este dever, para podermos alcançar a Paz em todo o mundo e a salvação de milhares de milhões de almas. Amen.
Jesus, Salvador do mundo, santificai os Vossos sacerdotes e ministros sagrados. Maria, Rainha do Clero, rezai por eles e por nós;

obtende para nós muitos e santos Bispos e Sacerdotes.


As 10 Promessas para os apóstolos do Sagrado Coração de Jesus
Além das 12 Promessas encontradas nos escritos de Santa Margarida Maria Alacoque, há também 10 Promessas para quem promover a devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Vêmo-las aqui tiradas do livro de maior autoridade sobre este assunto, A Devoção ao Sagrado Coração de Jesus, escrito pelo Padre João Croiset, S.J., durante a vida de Santa Margarida Maria Alacoque. De facto, Santa Margarida Maria escreveu ao Padre Croiset para lhe dizer que o livro tinha agradado a Nosso Senhor, que estava completamente de acordo com os Seus desejos, e que não seria necessário fazer quaisquer alterações. Que estas 10 Promessas possam aumentar o nosso zelo na divulgação da devoção ao Sagrado Coração de Jesus.
  1. “O meu Mestre Divino”, escreveu Santa Margarida Maria, “mostrou-me os nomes de várias pessoas, escritos em letras de ouro no Seu Sagrado Coração, nomes esses que Ele nunca deixará que se apaguem. Estes são os nomes das pessoas que mais tarbalharam para fazer o Seu Sagrado Coração conhecido e amado”.

  2. “O Sagrado Coração de Jesus tem tão grande desejo de ser conhecido, amado e honrado pelos Homens; Ele deseja tão ardentemente estabelecer o império do Seu  Amor em todos os corações, destruindo neles o império de Satanás, que promete grandes recompensas a todos os que se dedicarem de todo o  coração a estabelecer o reinado do Seu Sagrado Coração, segundo as luzes e as graças que Ele lhes dá”.

  3. Além da amizade do Divino Coração, os apóstolos da Devoção têm garantida a protecção da Santíssima Virgem e dos Santos, especialmente de Santa Margarida Maria.

    Escreveu ela: “Oh! Que felicidade para nós e para todos os que contribuem para que o amável Coração de Jesus seja conhecido e glorificado! Porque estes atrairão para si a amizade e as bênçãos eternas deste único Amor dos nossos corações. A Santíssima Virgem será a sua protectora especial; ajudá-los-á a atingir a perfeição mesmo nesta vida”.

  4. Os apóstolos do Sagrado Coração farão um progresso rápido quanto à virtude. O Sagrado Coração de Jesus santificá-los-á e glorificá-los-á.

    “O amável Coração de Jesus”, escreveu Santa Margarida Maria, “fez-me saber que tratará de santificar-nos e glorificar-nos perante o Seu Pai Celestial, na medida em que nos esforcemos para procurar glória para Ele e para aumentar o reinado do Seu amor nos corações dos Homens”.

  5. Os apóstolos do Sagrado Coração receberão a graça do puro amor de Deus.

    “O zelo com que vos aplicardes para fazer conhecido e amado o Sagrado Coração de Jesus obter-vos-á, num grau cada vez maior, o dom excelso do puro amor de Deus”.

  6. Os apóstolos do Sagrado Coração farão descer bênçãos especiais sobre a sua terra natal e sobre as suas famílias.

    “Oh! Que felicidade para os que contribuirem para fazer o adorável Coração de Jesus conhecido, amado e glorificado! Por tais meios obterão um poderoso Protector para a sua terra natal”.

  7. Estão reservadas grandes bênçãos para as obras de zelo feitas pelos trabalhadores apostólicos que propagarem a devoção do Sagrado Coração. Obterão grandes conversões.

    “O meu Divino Salvador”,  escreveu Santa Margarida Maria, “assegurou-me  que os que trabalharem para a salvação das almas terão a arte de tocar os corações mais endurecidos e obterão um sucesso maravilhoso, se eles próprios estiverem animados por uma terna devoção ao Seu Divino Coração.

    “Ele penetrará os corações mais insensíveis através das palavras dos Seus pregadores e amigos fiéis. Derramará de tal maneira a doce unção da Sua Caridade ardente, com graças tão fortes e poderosas nas suas palavras que elas serão como que uma espada de chamas a fazer com que os corações mais gelados se derretam no Seu amor. As palavras destes apóstolos serão como espadas afiadas, que penetrarão os corações mais duros e farão nascer neles a santa fonte da penitência, purificando e santificando os pecadores mais obstinados e fazendo-os susceptíveis ao Amor deste Divino Coração. Por este meio, as almas mais criminosas serão conduzidas à penitência salutar”.

  8. Será dado aos apóstolos do Sagrado Coração compreender o valor inestimável da Cruz, e obterão força e consolação nas suas dificuldades.

    “O adorável Coração de Jesus”, escreveu Santa Margarida Maria, “deseja estabelecer o reinado do Seu puro Amor em todos os corações. Felizes aqueles que Ele escolher para O ajudarem a estabelecer o Seu reino! Mas Ele não me disse que os Seus amigos não terão que sofrer, porque Ele deseja que eles encontrem a maior felicidade em provar das amarguras”.

  9. Os apóstolos do Sagrado Coração obterão a graça da perseverança até ao fim e uma santa morte.

  10. O Próprio Sagrado Coração será o prémio dos Seus apóstolos.

    “Felizes aqueles”, escreveu Santa Margarida Maria, “que o Sagrado Coração escolher para estabelecer o Seu reinado. Porque me parece que Ele é como um Rei que só pensa em recompensar os Seus amigos, ao obter vitórias e ao triunfar sobre os Seus inimigos. Quando este Sagrado Coração reinar, vitorioso, no Seu trono, o Próprio Jesus será a recompensa eterna que eles terão”. 


Mande esta página por e-mail

Formatado para

 
ORAÇÃO AO SAGRADO CORAÇÃO
DE JESUS E MARIA.
 

 
Ofereço-Vos, ó meu DEUS, em união com o Santíssimo Coração de Jesus e por meio do Coração Imaculado de Maria; as Orações e os trabalhos, as alegrias, incomodidades, descanso e os sofrimentos desta vida, neste dia; em reparação das nossas ofensas e por todas as intenções, pelas quais o mesmo Divino Coração está continuamente intercedendo e sacrificando-se por nós em nossos altares. Vo-lo ofereço, de modo particular pelas intenções da Vossa e nossa Santa Madre Igreja Católica Apostólica Romana. Amém.